Alternativas à Bienal do Livro - Rapeize Dinâmica

Rapeize Dinâmica

Um blog para quem ama literatura, artes gráficas e entretenimento digital.

Bombando

01 agosto, 2020

Alternativas à Bienal do Livro



Quem é que não gostaria de um pouquinho de "chá de bienal" nesse 2020, percorrendo os pavilhões e arrasando nos achados com desconto?! Creio que todos que estão lendo e, aliás, principalmente meus conterrâneos cariocas, pois esse ano a Bienal seria no Rio (não em São Paulo)... Mas não tem problema; a gente dá um jeitinho de suprir a falta que ela vai nos fazer nesse ano de quarentena.

#1. Comece por ler aqueles livros da Bienal de 2009 que eu sei que você ainda não leu. Você tem aproveitado o tempo extra de quarentena pra ler? Acho que melhor do que consumirmos livros sem parar (por mais gostoso que isso seja) é a gente de fato parar para ler e imergir em livros que a gente já possui. Depois a gente pode até passá-los pra frente... Doando ou emprestando; quem sabe a gente não torna a quarentena de alguém mais feliz e com um gesto tão simples..!

#2- Vá a um Sebo (revendem livros usados)
Caso não saiba, minha amiguinha(o), a Bienal em geral só consegue tantos descontões e "bota-fora" de livros porque muitos deles são sobras ainda não vendidas de editoras ou livros provenientes de sebos, em bom estado de conservação. 

Comprar em sebos chega a ser terapêutico; você com 50 pratas pode sair de lá com 10, 20 romances, e tem até livros acadêmicos de sua área de estudo!

Eu mesmo, essa semana, com meros 20 reais comprei dois livros de ficção que parecem muito bons e a 10R$ cada: Reconhecimento de Padrões (William Gibson; editora Aleph, 2008) e Um Homem Por Inteiro (Tom Wolfe; ed. Rocco, 1999). Pelos elogios da contracapa, tratam-se de obras-primas, cada um, de seus respectivos autores - sendo que esse primeiro é elogiado pelo próprio rei das narrativas, Neil Gaiman..! Meu, 10 reais! Em ótimo estado de conservação (se você tem alguma doença respiratória, fique ligado também! Porque costuma vir com bastante poeira, ácaros e etc. Eu mantenho o livro a dois palmos do meu rosto e leio de boa. Mas consulte seu médico. Leia a bula).

#3. Não gaste dinheiro: só escolha um e-livro gratuito da Amazon.
- Basta entrar no site e filtrar por "gratuitos" - Filtre por livros gratuitos de ficção
- Se não quiser ler tanto e preferir algo mais rápido, pesquise por Contos gratuitos (ou pagos; não são caros).
- Se desejar, também pode adquirir plano Unlimited do Kindle, que te permite uma série de seletos best-sellers gratuitos e/ou com desconto todo mês, toda semana.

#4- Se aventure no novo.
Escolha um tipo de literatura que ainda não tenha experimentado; recentemente eu entrei no mundo de Stephen King e do suspense e gostei muito.

Mais informações sobre a imagem de capa, lá em cima: TERRA X 


#5. Por que não quadrinhos e mangás?
Meu... Quadrinhos contam histórias dinâmicas. Existem muitos quadrinhos com histórias bem amarradas e perfeitas (duvida? cheque este post) que eu fico me perguntando: Por que coronas o pessoal não lê ainda?!? Quadrinhos NÃO é só coisa de nerd; é arte! 

#6- Vá em uma livraria e escolha um livro pela capa e sinopse.
Galera, essa crise de saúde gerou um impacto muito grande nas vendas de livros. O baque só não foi maior porque as vendas online de livros físicos tão aí pra sustentar o mercado. Mas não se engane: Os descontos vão rolar, agora que os shoppings reabriram.
Vale qualquer livro, desde um manual politicamente incorreto até aqueles livros de 1001 filmes pra ver antes de morrer. Recentemente eu fui a uma livraria e me perguntei: cara... há quanto tempo que eu não sei o que é gastar 50 reais em um livro. Que sensação boa que é; nessa visita à livraria, vi um livro que parecia interessante, mais ou menos a 50R$, mas tava sem dim dim ou cartão. Também não lembro o nome, só sei que a capa é vermelha. Se eu ler a sinopse de novo, vou lembrar; vou ficar atento às resenhas de vocês, também! Sigam o livro vermelho

[Claro que, se você me segue há um bom tempo, cê sabe que > uma das "coincidências" mais incríveis da minha vida me aconteceu na Bienal, < não é?!]

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fique à vontade para comentar, se desejar!